Cartas a MV – 41

Francisco Martins Rodrigues

Carta a MV (47)

6/12/1993

Caro M.:

Deves estar a receber muito em breve a P.O. nQ 42, que está na tipografia. Publicámos com destaque as matérias que nos mandaste e esperamos comprometer-te, de modo a continuares. A tua escrita verrinosa faz-nos falta. A carta de Paris é imprescindível. Afinal somos europeus ou não?

O que estava prometido e não veio foi o Albatroz. Problemas com a poluição dos mares? Repetimos o anúncio das últimas publicações Albatroz mas esperamos que até meados de Janeiro haja novidades quanto à revista. Uma coisa que me preocupa é que a colaboração que te mandei já está muito desactualizada. Se vires interesse e ainda for a tempo,
posso fazer outro comentário mais actualizado, mas só se fizer mesmo falta. Diz alguma coisa sobre isto.

O governo está a sofrer um sério desgaste com os efeitos da ressaca económica. O Cavaco perdeu os ares olímpicos e está a dar mostras de nervosismo e insegurança. Ainda agora substituiu quatro ministros e prevê-se uma votação muito baixa nas autarquias, dia 12 deste mês. Afinal o “gigante” PSD aparece com os seus pés de barro. A pequena burguesia, sempre instável, passa da adoração ao retraimento. Os estudantes são como sempre um bom barómetro; em menos de dois anos passaram dum cavaquismo entusiasta para uma aversão ardorosa ao governo, sobretudo depois de terem levado uma carga da polícia nas escadarias da Assembleia.

Na frente do trabalho, também há sintomas, que a comunicação social procura desdramatizar e apagar, mas com algum significado, como a manifestação da TAP no aeroporto, uma greve “selvagem” no porto de Setúbal, uma marcha da fome dos vidreiros da Marinha Grande até Lisboa, uma greve na Lisnave…

Está a passar o centenário do nascimento de Mao e fui convidado, juntamente com a Ana, o Arnaldo Matos (!), Pacheco Pereira (!!) e Pedro Baptista (da ex-OCMLP) para uma semana de colóquios no Museu da Resistência, que é uma coisa dependente da Câmara Municipal de Lisboa e dominada pelos PS. Decidimos aceitar e ir lá largar umas bujardas
em defesa do presidente Mao, embora o público seja bastante restrito. Veremos o que se apura como agitação revolucionária.

Quanto ao “Courrier International”, não me parece que valha a pena renovares assinatura. Eu julgava que tu o obtinhas em qualquer lado de borla. É interessante como informação geral mas para a P.O. pouco adianta e não merece a despesa. O que nos é útil (até pelos desacordos que motiva…) é a revista da “Politis”. Se puderes, continua a enviar, pelo
menos os números dedicados a temas que interessem à nossa área. Outra coisa: podes obter ou sabes onde obter um CD editado há anos e chamado “Obrigado Otelo”?

Abraços para todos.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s