Álvaro Cunhal: O prisioneiro (1949-1960)

Álvaro Cunhal, vol. III: O prisioneiro (1949-1960), J. Pacheco Pereira. Temas & Debates, Lisboa, 2005,748 pp. Leitura obrigatória para quem queira conhecer a história do PCP, o trabalho de Pacheco Pereira reú­ne neste 3o volume uma docu­mentação exaustiva sobre o perío­do de 1949 a I960, entre a prisão de Cunhal e a sua fuga do forte de Peniche.

Acompanhando a situação internacional (primeiro, a “guerra fria”, a NATO e a guerra quente na Coreia; depois a distensão e “coe­xistência pacífica” promovidas pelo XX Congresso do partido soviético), também em Portugal se passa de uma fase de ruptura entre o PCP e as restantes forças da oposição, para uma tentativa de reatamento da “Unidade”, a culminar no V congresso e na campanha eleitoral de Humberto Delgado.

A tentativa de explicar as gran­des oscilações da política do PCP apenas pela obediência à direcção da URSS é contudo demasiado simplista. Ela omite o factor prin­cipal — a ausência de estratégia dos comunistas portugueses, que os colocou sempre na dependência das variações da conjuntura, tanto nacional como internacional.

É o factor político interno que pesa sobretudo no endurecimento da política do PCP no período de 1949-54. A criação do MND, a candidatura de Ruy Luís Gomes, o conflito com o campo republi­cano e com um certo número de intelectuais, que PP atribui ao desejo de impor o diktat aos res­tantes oposicionistas, correspondem na realidade ao entrincheiramento do partido na resistência à ditadura de Salazar, quando na oposição, desmoralizada pelo malogro das grandes esperanças do fim da guerra mundial, impe­rava a inércia ou a busca de com­promissos.

Resulta curiosa por isso a crítica de PP à “estrita ortodoxia” do PCP, quando o seu próprio relato mostra que os “democratas” se deslocavam francamente para a direita, seguindo a música que vi­nha de fora (Egas Moniz defendia o Pacto do Atlântico; Cunha Leal demarcava-se publicamente de “partidos de inspiração estrangei­ra”; Quintão Meireles reivindicava-se do “espírito do 28 de Maio” e tinha entre os seus apoiantes um ex-director do campo do Tarrafal; e se os intelectuais dissidentes eram por vezes alvo de insultos no Avante, o facto é que o seu oposicionismo vacilava perigosamente). O “período sectário” de José Gregório, com todos os seus erros, manteve de pé a resistência à ditadura quando a tendência avassaladora era para a capitulação – este um aspecto central na tra­jectória do PCP que o autor obvia­mente não reconhece.

A intransigência da direcção do partido começa porém a desmoronar-se quando chegam do ex­terior os sinais da “grande vira­gem”. A repugnância de Gregório e de boa parte dos militantes pe­rante as novidades vindas da URSS — a denúncia de Staline, a reconciliação com Tito, a “coexis­tência pacífica”, a “passagem par­lamentar ao socialismo”… — é mais instintiva do que apoiada nu­ma base política sólida. O episó­dio kafkiano do “desmantelamen­to da fracção” de João Rodrigues mostra que a prática totalidade dos dirigentes do partido procuravam às apalpadelas, entre acusações mútuas, justificações para deitar pela borda fora a linha política an­terior. É só então que Júlio Foga­ça, que até aí actuara “sob vigilân­cia”, devido aos desvios passados, vê aberto o caminho para aplicar a política que de há muito conside­rava mais eficaz: levar o partido a renunciar a posições próprias, na esperança de assim proporcionar o alargamento da Oposição e uma “saída doce” ao regime fascista.

Mas, depois da euforia do V Congresso e das propostas do “afastamento pacífico de Salazar”, os dois anos seguintes, com a ma­ré popular desencadeada pela can­didatura de Humberto Delgado, revelam o total equívoco dos ra­ciocínios de Fogaça e conduzem a “solução pacífica” ao naufrágio e o partido à beira da desagregação. Reúnem-se as condições que per­mitirão a Cunhal “corrigir o des­vio” após a fuga da prisão.

No conjunto, e tal como nos volumes anteriores, há um con­traste chocante entre o interesse dos elementos factuais recolhidos e o obtuso anticomunismo mili­tante do autor. PP encara a história destas gerações de homens e mu­lheres que se ergueram contra a ditadura fascista de Salazar – e que por isso ganharam a confiança de boa parte da população mais opri­mida e dos intelectuais progres­sistas — como se se tratasse de um fenómeno de “fanatismo” e de “obediência ao estrangeiro”. A luta interna por vezes exasperada que acompanha este período de perse­guição implacável é pintada no estilo habitual da literatura anticomunista: tudo se resumiria a lu­tas pessoais, acusações paranóicas, purgas, assassínios, encobertos sob pretextos políticos. Não se estra­nha por isso que emane de todo o relato, sem dúvida rico em informação, um desagradável ranço policial, como se a história dos comunistas coubesse numa colecção de fichas da PIDE.

O volume comporta ainda um desenvolvido comentário à produção literária e artística de Cunhal na prisão.

Política Operária nº 104, Mar-Abr 2006

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s