Contra Wallerstein

Francisco Martins Rodrigues

0 Prof. Immanuel Wallerstein tornou-se um nome obrigatório quando se fala da esquerda “moderna” e há quem veja nos seus ensaios imaginativos e eruditos o marxismo do nosso tempo.

Num artigo publicado na revista marxista americana Monthly Review*, sob o título “Uma política de esquerda para uma era de transição”, o Prof. Wallerstein apresenta as suas soluções para que a esquerda ultrapasse o estado calamitoso em que se arrasta e aproveite as novas possibilidades de acabar com o capitalismo.

Basicamente, ele encara com optimismo a nova situação mun­dial, na medida em que “nos libertou da estratégia e da retórica leninista, agora inúteis” e que, ainda por cima, travavam o radica­lismo popular com a promessa dos “amanhãs radiosos”.

A velha estratégia da esquerda, que consistia em, primeiro con­quistar o poder e em seguida transformar a sociedade, talvez fosse a única possível no século que findou, admite. Mas falhou em toda a linha: tanto os social-democratas, como os comunistas, como os movimentos de libertação nacional chegaram ao poder um pouco por toda a parte no período de 1945-1970, mas não conseguiram mudar o mundo como prometiam.

Daí ter surgido a partir da “revolução mundial de 1968” (?!), a busca de estratégias alternativas por parte de uma grande variedade de movimentos, cujas grandes linhas apontam em sua opinião para:

  • “generalizar o espírito de Porto Alegre” – multiplicar as acções populares descentralizadas que melhorem de imediato a vida das populações;
  • “usar uma táctica eleitoral defensiva”, ou seja, numa perspectiva pragmática, visar a vitória de forças do tipo da “esquerda plural” em França e pressioná-las para lhes arrancar concessões;
  • “fazer avançar incessantemente a democratização” – impulsionar as reivindicações que trazem benefícios imediatos ao povo com a vantagem adicional de estreitarem as margens de lucro do capital;
  • forçar o centro liberal a cumprir os seus slogans – se são pela liberdade, abram as fronteiras aos imigrantes; se são pelo regime de empresa livre, então o Estado não tem que salvar as empresas em falência;
  • fazer do anti-racismo a medida definidora da democracia;
  • combater a mercantilização, que é o elemento essencial da acumulação capitalista – “contra as universidades e hospitais ge­ridos para o lucro, transformemos as siderurgias em instituições não lucrativas” (!);
  • não cair nas armadilhas das falsas saídas: defender os direitos humanos, levar a julgamento os genocidas, banir as armass nu­cleares e biológicas? Sim, se for para todos.

Num segundo comentário às críticas (estranhamente brandas e cautelosas) que lhe formula a redacção da revista, Wallerstein reafirma que “o estratego Lenine já não é levado a sério”, que a sua estratégia não era afinal muito diferente da da social-democracia visto que o seu discurso sobre a conquista do poder de Estado “despolitizava as massas”.

Não é preciso mais para se entender a estratégia que nos oferece o Prof. Wallerstein. O pecado da esquerda até hoje é ter pensado em tomar o poder de Estado. Acabe-se com essa estratégia “despolitizadora” (I), voltem-se as massas para a conquista de benefícios imediatos e palpáveis, forje-se a união de todos os que querem a democracia – e o sistema entrará no seu colapso inevitável…

Wallerstein reincide assim, com uma linguagem “moderna”, na pecha de sucessivas gerações de eméritos académicos “marxis­tas”: muita agudeza, muita originalidade, mas uma insuperável cobardia quando se chega ao cerne da luta de classes, à questão do poder. Como não há-de ele detestar Lenine!

Para dar uma aparência coerente à sua construção, o nosso professor tem que forçar os factos: confunde leninismo com social-democratismo, confunde a revolução russa com o aberrante regime que vigorava na URSS, arruma os governos burgueses social-demo­cratas na mesma categoria dos governos revolucionários, omite as causas sociais do fracasso da revolução russa e das revoluções de libertação nacional, descobre uma tendência para “o alastramento da democratização no mundo”, esquece a realidade do imperialis­mo – e, para baralhar as pistas, cobre-se com um radicalismo de papelão (“acções de massas!”, “arranquemos concessões aos libe­rais!”, “transformemos as siderurgias em instituições não lucra­tivas!”).

O reformismo do Prof. Wallerstein, de tão atrevido, é quase desarmante. Mas não é preciso grande investigação para ver a fútil inconsistência das suas propostas “para os próximos dez ou vinte anos”: o mundo que Wallerstein entrevê do alto das suas elucubra­ções não tem nada a ver com a luta feroz do capital agonizante, com a resistência do proletariado e dos povos e com as gigantescas batalhas de classes que se avizinham.

Num ponto estamos de acordo: a esquerda está num estado calamitoso, e uma prova disso é a desfaçatez com que este “cientista social” anda a oferecer a sua pacotilha reformista sem que ninguém lhe ponha uma etiqueta de charlatão.

* Monthly Review, n° 8/53, Janeiro 2002. 122 West 27tb St., NewYork, NY10001. mrmag@monthlyreview.org

Política Operária nº 84, Mar-Abr 2002

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s